Resenha - Novembro de 63 (Stephen King)



Resenha Quentinha pra vocês.
Vem conferir.


A vida pode mudar num instante, e dar uma guinada extraordinária. É o que acontece com Jake Epping, um professor de inglês de uma cidade do Maine. Enquanto corrigia as redações dos seus alunos do supletivo, Jake se deparou com um texto brutal e fascinante, escrito pelo faxineiro Harry Dunning. Cinquenta anos atrás, Harry de alguma forma sobreviveu à noite em que seu pai massacrou toda a família com uma marreta. Jake fica em choque... mas um segredo ainda mais bizarro surge quando Al, dono da lanchonete da cidade, recruta Jake para assumir a missão que se tornou sua obsessão: deter o assassinato de John Kennedy. Al mostra a Jake como isso pode ser possível: entrando por um portal na despensa da lanchonete, assim chegando ao ano de 1958, o tempo de Eisenhower e Elvis, carrões vermelhos, meias soquete e fumaça de cigarro.


Após interferir no massacre da família Dunning, Jake inicia uma nova vida na calorosa cidadezinha de Jodie, no Texas. Mas todas as curvas dessa estrada levam ao solitário e problemático Lee Harvey Oswald. O curso da história está prestes a ser desviado... com consequências imprevisíveis.

A viagem no tempo nunca foi tão plausível... e aterrorizante.



A história gira em torno de Jake Epping, um professor do supletivo que, através do dono de uma das lanchonetes locais, descobre um portal do tempo.
 Assim como várias histórias sobre viagem no tempo, Novembro de 63 trata do mesmo assunto: teoria do caos. Contudo, suas implicações são bem mais drásticas, já que o foco do personagem principal é impedir o assassinato de John F. Kennedy.
Para quem não conhece a teoria do caos, aqui vai uma breve explicação. Para quem já conhece e deseja pular essa parte, fique à vontade.
 A teoria do caos é uma das mais importantes leis do universo. A ideia central é que qualquer mudança em eventos já determinados e estabelecidos, por menor que seja, pode causar mudanças drásticas, caóticas.
Aqui vai um exemplo: digamos que você esteja andando por uma estrada, distraído, quando de repente tropeça em uma pedra e cai. Enquanto tenta se levantar você vê uma carteira caída, meio escondida nos arbustos da beira de estrada. Ao pegá-la você encontra um cheque de 1 milhão de reais. A carteira não tem nenhum documento, você fica aliviado, pois poderá ficar com o dinheiro. Desse momento em diante, sua vida começa e se estabelecer. Você deposita boa parte do dinheiro, compra casa, carros luxuosos, vai a festas espetaculares e caras, conhece o amor da sua vida e uma delas, têm filhos, netos, etc. Esses são os eventos determinados e estabelecidos.
Agora vamos supor que um amigo seu achasse uma máquina do tempo e voltasse para o dia em que você achou a carteira. Esse seu amigo está passando pela mesma estrada e vê uma pedra no chão – a mesma que você havia tropeçado. Seu amigo chuta a pedra para fora do caminho, distraidamente. Sem saber, essa pessoa está mudando os eventos estabelecidos da sua vida e de todos que você teve influência com o passar dos anos. Ao voltar para o presente esse seu amigo descobre que você está preso, nunca fora milionário, nunca tivera filhos e netos, nem mesmo namorada. Ao chutar aquela pedra, uma coisa insignificante, o curso da história foi mudado, pois a pedra fazia parte dos eventos estabelecidos e determinados da sua vida. Você não tropeçou na pedra, pois não havia pedra quando você passou. Você não achou a carteira, não ficou milionário, não foi para festas, pois não tinha dinheiro e nem emprego. Você se cansou de ficar sem dinheiro e resolveu virar ladrão, matando e roubando. Foi preso e nunca constituiu uma família. Sua vida foi mudada por uma simples pedra.


Ao descobrir sobre o portal, Jake logo pensa nas implicações para tudo aquilo. Al, o dono da lanchonete, insiste para que Jake termine a missão que ele havia começado: impedir o assassinato de John Kennedy.
Apesar de parecer igual ás outras histórias do mesmo gênero, Novembro de 63 é diferente de todos eles. Em todos as histórias sobre viagem no tempo que li e assisti, o personagem principal viajava no tempo, mudava algo e voltava imediatamente para o presente, vivenciando todo caos estabelecido por ele. Nesse livro, Jake Epping não volta para o presente. Ele tem que ficar no passado, já que o portal o leva para o ano de 1958 e John Kennedy foi assassinado no final de 1963. Afim de ter sucesso na missão, ele teria que viver 5 anos no passado.
O que acho mais interessante nesse livro é o fato do leitor ser totalmente levado para a década de 50. Os detalhes bem elaborados e personagens bem criados casam perfeitamente com a história. Ao ler, chegamos quase a acreditar que o autor encontrara uma máquina do tempo para viver na década de 50 e 60, dada a precisão de detalhes daquela época, desde costumes, roupas e carros, até a política. Nos sentimos completamente deslocados no tempo. Não apenas acompanhamos as aventuras de Jake Epping, como também as vivenciamos.
Em uma das suas aventuras, Jake tenta interferir no massacre da família Dunning, mudando o curso da história. Tudo feito por ele repercute na linha do tempo, já que ele ao invés de mudar o passado e voltar para o presente tem que VIVER no passado, com cada passo e escolha mudando o rumo do mundo.
Outra coisa interessante e inédita presente no livro é que o passado é obstinado, ele não quer ser mudado. Ele é o mais cruel e maligno vilão, observando cada passo de Jake em seus domínios e lançando mão de todas as situações para impedi-lo de mudar a história. Além de ter que viver com esse peso sobre si, Jake se vê cada dia mais perto do solitário e problemático Lee Harvey Oswald, assassino de John Kennedy. Cada vez mais próximo...
O livro também conta com romance e drama, um prato cheio para aqueles que curtem ambos os gêneros. Ambos são intensos e bem detalhados. Em se tratando de romance fiquei surpreso. Não conseguia imaginar o mestre do terror escrevendo sobre romance, mas as emoções que se passam entre os personagens são tão intensas que chegamos a sentir o drama na própria pele.
Mas o livro, de acordo com meu gosto literário, também tem seu lado negativo. Classifico Novembro de 63 com 4 estrelas, ao invés de 5. Me dói dizer isso, sendo grande fã do autor, mas também não sou de puxar saco. Tirei uma estrela da classificação, porque achei algumas partes bem tediosas. São poucas e todas são relacionadas ao cotidiano do personagem, mas acho que alguns detalhes poderiam ter sido cortados. No geral, todo livro tem isso, então não é grande coisa se comparada com a dimensão genial da história.
Com terror, aventura, muito suspense e uma pitada de romance e drama, Stephen King nos traz um livro de ficção científica e distopia completo, com reviravoltas e situações de tirar o fôlego, onde podemos ver as diferenças sociais, econômicas e políticas entre as décadas de 50 e 60 e os dias de hoje. 



Será que Jake Epping conseguirá impedir John F. Kennedy de ser assassinado? 
Se sim, o que acontecerá com o mundo de uma forma geral, levando em consideração a teoria do caos?
Se não, o que acontecerá com Jake Epping e a vida das pessoas ao seu redor?
Em se tratando da teoria do caos, o que acontece quando alguém de uma época futura passa a viver no passado?


NOVEMBRO DE 63 – STEPHEN KING / TÍTULO ORIGINAL: 11/22/63 / LANÇAMENTO (ESTADOS UNIDOS): 8 DE NOVEMBRO DE 2011 / LANÇAMENTO (BRASIL): 28 DE OUTUBRO DE 2013 / EDITORA: SUMA DE LETRAS, 727 PÁGINAS / GÊNERO: FICÇÃO CIENTÍFICA, DISTOPIA.


Autor: Hyago.



0 comentários:

Postar um comentário

 
|